Método Haje ou Dynamic Remodeling (DR)

O tratamento do pectus, seja ele do tipo carinatum ou excavatum, pode ser realizado através do uso de órteses compressivas dinâmicas (CDTA – Compressor Dinâmico de Tórax), que foi descrito primeiramente em 1979 pelo idealizados do método, Sydney Haje. As órteses tipo CDTA possuem parafusos laterais, ao invés de fechos ou velcros,  possibilitando a compressão gradual das áreas protusas. Em 2006 o método passou a ser chamado de Dynamic Remodeling (DR) – método dinâmico de remodelação, para designar o uso das órteses simultaneamente à prática de exercícios que promovam aumento da pressão intratorácica. Tal método implica equilíbrio de forças sobre o tórax: enquanto as órteses exercem pressão externa dinâmica sobre as áreas protusas ou salientes, a execução de exercícios simultaneamente promove pressão interna sobre as áreas deprimidas, proporcionando a remodelação da caixa torácica como um todo.

O tempo de utilização das órtese inicialmente deverá ser integral, e conforme a correção das deformidades forem atingidas esse tempo é modificado, e menos tempo de utilização é necessário. Cabe ressaltar que o acompanhamento durante toda a fase de crescimento é fundamental para o sucesso do tratamento, visto que enquanto há potencial de crescimento do paciente as deformidades podem permanecer.

As órteses tipo CDTA são simples, feitas de hastes de alumínio e almofadas com placa de polipropileno ou PVC e forradas por espuma recoberta de tecido. Cada órtese é confeccionada sob medida, considerando a deformidade e o tamanho de cada paciente. Existem basicamente dois tipos de órtese, a CDTA 1 e CDTA 2

CDTA 1

A órtese tipo CDTA 1 é utilizada para o tratamento de pectus carinatum ou lateral, realizando compressão sobre as áreas salientes. Possui uma almofada na região anterior e outra na região dorsal.

CDTA 2

As órteses tipo CDTA 2 podem ser utilizadas para o tratamento de deformidades tipo excavatum, onde geralmente existem saliências dos rebordos costais. Seu uso também pode ser associado ao tipo CDTA 1 nos casos de deformidades tipo carinatum ou laterais associadas a saliência dos rebordos costais ou depressões.  Possui duas almofadas na região anterior, uma apoiando em cada rebordo costal e uma almofada na região posterior.


Bibliografia

HAJE, S. A. Deformidades pectus: novos conceitos e abordagem ortopédica em crianças e adolescentes: 1a parte. Rev. Bras. Ortop., Rio de Janeiro, v. 30, n. 1/2, p. 75-79, jan./fev. 1995a.

Deformidades pectus: novos conceitos e abordagem orto- pédica em crianças e adolescentes: 2a parte. Rev. Bras. Ortop., Rio de Janeiro, v. 30, n. 3, p. 143-149, mar. 1995b.